Vilhena – Com novo recorde de atendimentos, surto de covid-19 no município revela números que geram alerta

28

Apesar de Vilhena apresentar letalidade e mortalidade menor que os maiores municípios rondonienses, a região é uma das piores do mundo na pandemia

A gravidade do surto de covid-19 na cidade, no estado, no país e no mundo tem preocupado a Saúde do município. Na última quinta-feira o município ultrapassou, pela primeira vez, mais de 400 atendimentos em 24 horas para pacientes com sintomas gripais. São 10,5 mil nos últimos 50 dias, enquanto nos últimos 12 meses foram pouco mais de 30 mil atendimentos. Além deste, outros dados mostram como Vilhena está em uma das regiões mais graves da pandemia no mundo, quando é considerada a taxa de mortalidade, ou seja, o número de mortes por covid-19 proporcionalmente à população.

Se Vilhena tivesse 1 milhão de habitantes, o município teria 2.717 mortes por covid-19 considerando as taxas atuais de óbitos na cidade. O número é maior que a média mundial de 726 mortes por milhão. Contudo, menor que as taxas da América do Sul (2.827), do Brasil (2.919) e de Rondônia (3.764). Se fosse um país, o Estado seria o oitavo pior do mundo de um total de 225 países. Vilhena, se fosse um país, estaria em 19°, enquanto o Brasil atualmente tem o 15° pior índice de mortalidade.

Entre os estados brasileiros, Rondônia é o terceiro pior nesta análise, perdendo apenas para o estado vizinho do Mato Grosso e para o Rio de Janeiro, que têm taxas de mortalidade de 4.010 e 4.002, respectivamente. Na comparação de Vilhena com os demais municípios de Rondônia, o município é o que tem a menor mortalidade entre os nove maiores municípios (com 41,5 mil habitantes ou mais).

Devido à eficiência do sistema de Saúde em Vilhena, oferecendo tratamento, testes, internação e medicamentos a todos, a porcentagem de infectados que morrem em Vilhena é de 1,63%, a menor entre os oito maiores municípios de Rondônia e consideravelmente menos que as médias de Rondônia (2,21%), do Brasil (2,64%), da América do Sul (2,82%).

Considerando a quantidade de pessoas infectadas, se fosse um estado brasileiro, Vilhena teria a oitava maior incidência de casos, e se fosse um país seria o 57° de um ranking de 225. Já entre os cinco maiores municípios de Rondônia, a cidade tem a menor taxa de incidência.

A Secretaria Municipal de Saúde lembra que as ferramentas para o fim do surto e da pandemia estão ao alcance de todos: vacinação gratuita e segura, bem como medidas de prevenção simples, como uso correto da máscara, evitar tocar em outras pessoas sem necessidade, distanciamento social, evitar aglomerações, higienização do ambiente de trabalho, manter o ar arejado, evitar compartilhar objetos pessoais e respeitar as regras de isolamento em caso de aumento.