SUPERAÇÃO – Empreendedores reinventam negócios para sobreviver à pandemia de coronavírus

48

Por Lusângela França 

Com experiência no ramo de semi-joias há mais de 10 anos, Alecsandra Souza Lima, que já havia enfrentado outras crises, viu na pandemia do novo coronavírus um desafio diferente em sua trajetória: não se poderia mais ter contato presencial de seus clientes. Então, foi à hora de se reinventar.

Proprietária de um portfólio de semi-joias teve que buscar novas estratégias e agora está lidando com a crise de uma nova maneira. “Durante a pandemia tudo mudou, o contato físico teve que ser cancelado e tivemos que optar pelas vendas online. As vendas em geral caíram cerca de 50% e tive que fazer mudanças rápidas para continuar ativa”, conta Alecsandra.

A empreendedora está voltando suas vendas para as plataformas digitais onde tem que investir mais tempo para organizar suas redes sociais, tirando boas fotos e desenvolvendo textos para mostrar aos clientes que o que tem de peças para vendas. “Hoje, meus principais canais de venda são as plataformas digitais, a vitrine virtual com produtos da Aleki Semi-Joias, as redes sociais Facebook, Instagram e watsapp”, disse Alecsandra sobre suas vendas online.

Coleção Virtual Aleki Semi-Joias

Coleção Virtual Aleki Semi-Joias

A falta de contato presencial com os clientes para Alecsandra foi um episódio que a deixou abalada. “A gente precisa cortar esse conceito que cliente não pode fazer parte da nossa rede de amigos, porque esse contato é muito necessário. A gente não se basta, a gente precisa do outro”, explicou.

Com o distanciamento social, Alecsandra teve uma ideia para vender suas peças, não só para atender seus clientes, mas para oferecer conforto e esperança de que tudo iria passar. A coleção “Coleção Virtual Aleki Semi-Joias” é composta de semi-joias, como anéis colares, brincos e pulseiras, feitas para representar o gesto que mais faz falta em tempos de isolamento. “A coleção veio para curar o emocional e levar um carinho para as pessoas. Se agora o abraço é virtual, por que não ter um abraço virtual através da semi-joia?”, explica a consultora sobre a coleção.

Além disso, a pandemia não deixou Alecsandra parada e envolta apenas com suas semi-joias. A levou ter experiências com outras formas de cuidar da beleza.

Lições durante a pandemia

Para Alecsandra Souza, a maior lição que se pode tirar da pandemia é como o ser humano pode ser vulnerável e precisa do contato com o outro. “Precisamos sempre fazer boas ações e estarmos atentos, porque tudo pode acabar em um segundo. Temos que dar valor à simplicidade e aos bons momentos, e eu acho que todos nós crescemos nesta pandemia como seres humanos”, conta sobre as lições deixadas pela crise.

O aprendizado também veio em forma de conhecimento, uma vez que Alessandra aproveitou o momento para fazer diversas descobertas. “Eu cresci, me reinventei e estudei, e isso são coisas que nunca sairão de mim. Se não fosse este momento eu não teria aprendido tanta coisa em três meses”, contou.

Alecsandra atende seus clientes, amigos e familiares no watsapp (69) 9275-2192, querendo marque uma visita online para conhecer as peças.