Cerimônia abre Olimpíadas de Inverno de Pequim com ode à beleza e show de efeitos

43

Festa marcada por jogo de luzes e limitada por protocolos contra a Covid dá início oficial aos Jogos. Brasil desfila sob o comando dos porta-bandeiras Jaqueline Mourão e Edson Bindilatti

A ideia era abrir as Olimpíadas de Inverno com uma cerimônia mais simples, mas de impacto. Nesta sexta-feira, Pequim fez uma ode à beleza em um show impressionante de efeitos de luz no Ninho do Pássaro. Em mais de duas horas, a capital chinesa celebrou o início dos Jogos em uma festa limitada pelos protocolos sanitários diante da pandemia de Covid-19, mas sem esquecer de honrar o espírito olímpico.

Havia a expectativa por possíveis protestos contra o governo chinês, apesar dos pedidos contrários do COI e de outras instituições. Mas, sob os olhares do presidente Xi Jinping, atletas e membros da delegação se limitaram a celebrar o início da 24ª edição dos Jogos Olímpicos de Inverno. No discurso final, Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional, pediu que as Olimpíadas fossem uma inspiração para tempos de paz.

A cerimônia foi toda guiada por flocos de neve, em uma referência, também, à beleza e à leveza dos Jogos. Durante toda a festa, os organizadores apostaram em menos luxo, mas em detalhes de impacto formados pelo jogo de luzes. No fim, a dupla Dinigeer Yilamujiang e Jiawen Zhao acendeu a pira olímpica, com a tocha ao centro do floco de neve.

Cerimônia de abertura Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: REUTERS/Fabrizio Bensch

Cerimônia de abertura Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: REUTERS/Fabrizio Bensch

Beleza e leveza em Pequim

Antes da abertura, uma contagem em 24 números, representando os 24 tempos solares que fazem parte da contagem na China, além de fazer alusão à 24ª edição dos Jogos de Inverno. A contagem regressiva chegou ao fim com a representação do início da primavera. Um show de luzes e coreografia inundaram o palco em tons de verde. A cerimônia não contou com cantores, dançarinos ou atores profissionais. Todos eram cidadãos comuns, estudantes e trabalhadores que se voluntariaram a participar.

Cerimônia de Abertura Olimpíadas de Inverno Pequim 2022  — Foto: REUTERS/Pawel Kopczynski

Cerimônia de Abertura Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: REUTERS/Pawel Kopczynski

A cerimônia teve a supervisão do renomado diretor de cinema chinês Zhang Yimou, famoso pelos filmes “Lanternas Vermelhas”, “Herói” e “O Clã das Adagas Voadoras”. Ele também será responsável pela festa de encerramento dos Jogos.

Cerimônia de Abertura Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: REUTERS/Aleksandra Szmigiel

Cerimônia de Abertura Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: REUTERS/Aleksandra Szmigiel

Sob os olhares dos presidentes da China, Xi Jinping, e do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, e ao som da música tocada no trompete por um menino, a bandeira do país foi levada ao palco por representantes das 56 etnias que formam o povo chinês. Foi dado, então, o início à apresentação artística da festa. Uma linda cascata de luz, simulando o Rio Amarelo, um dos maiores do país, invadiu o palco e fez surgir um imenso e simulado bloco de gelo. Em imagens refletidas, a lembrança das 23 edições anteriores dos Jogos.

Desfiles enxutos

 

O bloco, como se fosse talhado, deu lugar aos aros olímpicos. Foi a deixa para o início do desfile das delegações dos países, aberto, como sempre, pela Grécia. Em meio à realidade pandêmica, muitas delegações precisaram se adaptar. Foi um desfile mais enxuto, sem boa parte dos atletas que disputarão os Jogos. Os Estados Unidos, por exemplo, precisaram trocar sua porta-bandeira. Elana Meyers Taylor, do bobsled, havia sido a escolhida, mas testou positivo para Covid-19 e deu lugar a Brittany Bowe, da patinação de velocidade.

Cerimônia de abertura das Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: Maddie Meyer/Getty Images

Cerimônia de abertura das Olimpíadas de Inverno Pequim 2022 — Foto: Maddie Meyer/Getty Images

Ainda assim, houve espaço para improvisos e festa. A equipe de bobsled da Jamaica cruzou o palco em uma dança. Entre os atletas do Japão, houve quem tentasse uma pirueta. O Brasil foi o 16° país a desfilar. Jaqueline Mourão e Edson Bindilatti foram os porta-bandeiras. Ao lado deles, Anders Pettersson, chefe de missão do Time Brasil em Pequim, e Andrea Leibovitch, gestora esportiva do COB.

Algumas outras delegações, como a do Canadá, da Finlândia e da própria, optaram por levar boa parte de seus atletas ao desfile. Outro destaque foi a presença de um novo besuntado, Nathan Crumpton, do skeleton, porta-bandeira de Samoa Americana.

Ao final, novos efeitos de luzes fizeram nevar flocos no Ninho do Pássaro, com os nomes dos países que estarão nos Jogos. Todos deram origem a um floco de neve gigante, que voou pelo palco em Pequim, em um dos momentos mais bonitos da cerimônia.

Na sequência, um novo momento protocolar, com os discursos de Cai Qi, prefeito de Pequim e presidente do Comitê Organizador dos Jogos 2022, e de Thomas Bach. Nas palavras dos dirigentes, a celebração dos Jogos e a reafirmação dos cuidados diante da pandemia de coronavírus. Na sequência, Xi Jinping deu início oficial aos Jogos.

Pira acesa em Pequim

 

No décimo seguimento da cerimônia, um tributo a todos os povos, com imagens de cidadãos de todos os cantos do mundo, além de referências aos desafios enfrentados durante a pandemia de Covid-19. Na sequência, nomes do esporte chinês entraram no estádio com a bandeira olímpica. Depois de apresentações musicais, o momento mais esperado: o acendimento da tocha.

Weichang Zhao, Yan Li, Yang Yang, Bingtian Su, Yang Zhou, representando as últimas décadas do esporte chinês, fizeram a reta final do revezamento da tocha. No fim, coube à dupla Dinigeer Yilamujiang e Jiawen Zhao acender a pira olímpica, com a tocha ao centro do floco de neve.

Fonte: ge